Os cientistas descobriram a pegada humana mais antiga já vista nas Américas

Primeira escavação 2007.JPG
Primeira escavação do sítio de Pilauco em 2007.
Cortesia de Karen Moreno
  • Arqueólogos descobriram a pegada mais antiga já encontrada nas Américas.
  • A pegada de 15.600 anos foi encontrada pela primeira vez no sul do Chile em 2011, mas agora os cientistas finalmente determinaram que provavelmente pertencia a um humano.
  • De acordo com um novo estudo, esta pegada é uma evidência de que os humanos estavam presentes nas Américas antes de 12.000 anos atrás – antes do que os cientistas pensavam anteriormente.
  • Visite a página inicial da Business Insider para mais histórias.

Sobre 15.600 anos atrás, um homem descalço atravessou a lama no Chile antigo. Ele deixou uma única pegada direita no sedimento molhado.

Os cientistas descobriram essa impressão em Pilauco, um local na cidade de Osorno, Chile, em 2011. No início, os pesquisadores não tinham certeza se a impressão pertencia a um ancestral humano ou hominim, em vez de, digamos, a uma preguiça no solo gambolando através da lama.

Mas agora, os pesquisadores determinaram que a pegada era realmente humana, de acordo com um estudo publicado na revista PLoS One.

“É um tipo de pegada que poderia ser feita por qualquer espécie de homo”, disse Karen Moreno, co-autora do estudo, ao Business Insider. “Mas a única espécie de Homo por aí há 15.000 anos atrás é o Homo sapiens.”

Essa descoberta poderia ajudar a reescrever a nossa linha do tempo da história humana: “Que eu saiba, é a pegada mais antiga encontrada nas Américas”, disse Moreno.

Uma pegada inegavelmente humana

Pilauco footprint
Foto original da pegada de Pilauco, tirada em 2010.
Courtest of Karen Moreno

Durante escavações do sítio de Pilauco de 2007 a 2016, pesquisadores também descobriram restos de mastodontes, insetos e moluscos fossilizados e ferramentas de pedra feitas pelo homem.

Usando datação por radiocarbono, Moreno e sua equipe determinaram que o material vegetal encontrado na mesma camada sedimentar da pegada tinha cerca de 15.600 anos.

Então, para identificar a que tipo de criatura a impressão pertence, os cientistas fizeram imagens de raios X, medições e fizeram uma reconstrução de gesso. Seus achados sugerem que a impressão tinha uma forma característica – com um arco, um calcanhar arredondado e um dedo grande alongado – que não poderia ter sido feita por nenhum animal que não fosse uma espécie Homo.

“Fizemos a comparação com todas as outras formas de impressão de animais na época, e é muito, muito diferente dos mylodons, dos pássaros, dos ursos que poderiam ter estado lá”, disse Moreno.

Pialuco
A criatura que fez a pegada tinha um dedo grande do pé alongado, muito como os humanos modernos fazem.
Cortesia de Karen Moreno

Os pesquisadores testaram a hipótese de que esta impressão veio de ancestrais humanos simulando o impacto dos pés humanos em lama semelhante (moderna). Eles pediram a três pessoas de diferentes tamanhos de corpo para caminhar por uma cama de sedimentos, e concluíram que um humano poderia “facilmente gerar” uma pegada semelhante ou igual à que eles descobriram.

Os autores do estudo não sabem porque apenas uma única pegada foi encontrada, ao invés de uma pista de pegadas, mas eles sugerem que camadas de mistura de lama podem ter enterrado o resto das impressões.

Humans provavelmente vieram para as Américas mais cedo do que pensávamos

Uma pegada antiga é retratada, tendo formado rachaduras devido à dessecação após ter sido extraída de seu local original, em Osorno, Chile, em algum momento em abril de 2019. Universidad Austral de Chile, Laboratorio de Sitio Pilauco/Handout via REUTERS
A antiga pegada humana em Osorno, Chile.
Reuters

A impressão de Pilauco fornece evidências adicionais de que os povos antigos colonizaram as Américas muito antes do que os arqueólogos pensavam anteriormente.

Durante décadas, os cientistas pensaram que as primeiras pessoas a assentar as Américas foram os Clovis, que atravessaram a Ponte de Bering Land entre o Alasca moderno e a Rússia antes de se espalharem pela América do Norte e para além de há cerca de 13.500 anos.

Parte da razão para esta teoria foi que as pegadas humanas antigas são raras no registro fóssil das Américas. De acordo com Moreno, muitas pegadas podem ter sido destruídas pelo recuo das geleiras ao encolherem no final da última era glacial, há 11.700 anos atrás.

PILAUCO
Uma representação do antigo humano que deixou a pegada de 15.600 anos no Chile.
Mauricio Alvarez/Cortesia de Karen Moreno

Até agora, os cientistas pensavam que as pegadas humanas antigas preservadas em Monte Verde, outro sítio arqueológico no Chile, eram as pegadas mais antigas das Américas. Mas essas pegadas eram cerca de 1.100 anos mais novas do que a pegada encontrada no sítio de Pilauco.

As pegadas do Monte Verde e de Pilauco foram feitas pelo menos 1.000 anos antes da data em que os pesquisadores acham que o povo Clovis cruzou pela primeira vez na América do Norte.

Isso lança dúvidas sobre a teoria do “Clovis primeiro”, disse Moreno. “É possível que as pessoas tenham tomado esse mesmo caminho, mas talvez mais cedo do que pensávamos.”

Vê TAMBÉM: Os humanos outrora caçaram e mataram preguiças gigantes na América do Sul, ossos de 12.600 anos revelam

AGORA: Vídeos populares de Insider Inc.

NOW WATCH: Vídeos Populares de Insider Inc.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.